Pular para o conteúdo

Quintal Cultural

Matéria publicada na Tribuna de Minas, em 05 de agosto de 2006.

Tarde de domingo no MAM

Fernanda Fernandes
Repórter

Neste domingo, os jardins do Museu de Arte Moderna Murilo Mendes (MAM) vão virar um verdadeiro quintal cultural. Esta é a proposta do evento programado para o primeiro domingo de cada mês, que tem sua segunda edição neste fim de semana. Contação de histórias, malabares, filme, música, ciranda, arte infantil e varal de poesia estão entre as atrações, planejadas para agradar o público de todas as idades.

O projeto é semelhante ao Zona Literária, que acontecia na Faculdade de Comunicação da UFJF sob o comando das professoras Leila Barbosa e Marisa Timponi, no princípio da década de 1990. Leila, hoje diretora adjunta do MAM, diz que a idéia da programação atual foi coletiva e que toda a equipe do museu acrescentou sugestões para envolver as pessoas e diversificar o público que freqüenta a instituição.

De acordo com o produtor cultural do MAM, Beto Campos, a união de artistas de várias tendências tem o objetivo de criar uma inter-relação entre a comunidade e o museu e promover manifestações artísticas nos diferentes espaços da instituição, como o auditório e o jardim interno, além de atrair visitantes para a exposição permanente da coleção Murilo Mendes e demais mostras de artes plásticas.

A proposta é incluir novas atividades a cada mês e estimular pessoas comuns a levarem para o MAM instrumentos musicais, poesia e o que mais acharem válido partilhar com os outros. “É um espaço totalmente aberto, com teor de sarau”, frisa Leila. Segundo ela, no princípio, os participantes ficam tímidos, mas, depois, todos se soltam e se interagem. O ambiente dos jardins provou ser extremamente agradável na realização de outros eventos e da primeira edição do projeto, no começo de julho, quando cerca de 300 pessoas passaram pelo museu.

Diversidade artística
A proximidade com o Mezcla viabilizou a parceria entre bar e museu. Assim, quem freqüentar a programação terá também a opção de serviço que inclui alimentos e bebidas. Mas esta participação terá um toque diferente: “não é o Mezcla bar, mas o Mezcla instituição, com toda a pesquisa sobre latinidade e teatro que eles desenvolvem”, diz Beto Campos.

Para Leila, que organiza o varal de poesias com Marisa Timponi, os artistas são também público e vice-versa. Entre as atrações programadas, Teka Figueira, do grupo Declamar, vai contar histórias. Raíssa Halola, Deborah Lisboa e Arnaldo Delgado vão comandar a oficina de malabares. A música fica por conta de Edson Leão, Daniel Goulart e convidados. Já a sétima arte será contemplada com a exibição do curta “Poliedro – o resgate”, de Alessandro Driê. Haverá ainda a roda de cirandas, preparada por Gabriela Machado e Lúcia Vernet outras performances lúdicas, como a do artista de teatro Marcos Marinho.

As crianças poderão participar de atividades elaboradas pela equipe de arte-educadores do MAM, que vem desenvolvendo oficinas de pintura e de outras técnicas plásticas. Aline Di Salvo e Waldilene Miranda propõem o trabalho “Dinâmica lúdica, recriando Murilo Mendes”, que estimula a criação artística a partir de fragmentos da obra do poeta. Já Selma Caetano e Juliane Oliveira abordam o tema “O mundo da pintura”.

– Neste domingo, das 15h às 20h, no MAM (Rua Benjamin Constant 790- Centro). Informações: 3229-9070

Fonte: Tribuna de Minas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.